Uma História, uma só paixão

2 de dezembro de 2012

Galo vence Cruzeiro, é vice-campeão e arranca vaga direta na Libertadores em jogo eletrizante e cheio de viradas

Foto: Bruno Cantini
Sensacional. Uma vaga direta. Era o que valia o jogo para o Galo. Em uma partida digna da história deste grande confronto. Três expulsões, pênalti perdido, duas viradas e muita disposição de ambos os lados. O duelo com o Cruzeiro deste domingo justificou um velho clichê do futebol: ‘sobrou emoção no clássico’. E sobrou mesmo. O Atlético abriu o placar aos 4 minutos e deu ares de que poderia golear o rival.
A torcida do Glorioso das Alterosas compareceu em grande número ao estádio, certa de que a invencibilidade em casa, na atual temporada, seria mantida. A equipe alvinegra, desde a conquista do Campeonato Mineiro, não perdeu nenhuma partida diante do torcedor. Em determinado momento do jogo, a impressão era a de que o Cruzeiro conseguiria a vitória, mas, em dois gols assinalados por zagueiros, quando o rival estava à frente no placar, o Atlético virou o jogo.
O gol relâmpago levou a torcida atleticana ao delírio no Independência. O Cruzeiro chegou com mais perigo ao ataque, mas, atabalhoado, perdeu oportunidades. Já o Atlético foi eficiente quando chegou. E foi logo aos 4 minutos. Guilherme chegou pela direita e cruzou. Leandro Guerreiro cabeceou para cima e a bola sobrou nos pés de Bernard, que fuzilou o gol de Fábio. O camisa 1 cruzeirense nem se mexeu.
A festa alvinegra, que havia começado bem antes da partida, aumentou ainda mais. E a vontade dos jogadores também crescia a cada dividida. O volante Pierre abriu a lista dos amarelados ao parar Everton, que seguia livre em direção ao gol. Os jogadores do Cruzeiro foram à loucura e pediram a expulsão do atleticano.
Na cobrança da falta, Ceará mandou a bola muito perto do gol. O Cruzeiro seguiu tentando pressionar. Montillo era o jogador mais lúcido da equipe. Aos 19 minutos, ele cruzou da direita e o goleiro Victor deixou escapar, mas se recuperou no lance.
A Raposa tratou de equilibrar as ações e fez a torcida do Galo sentir calafrios. Anselmo Ramon acertou a trave, e na sequência o goleiro Victor tirou dos pés de Martinuccio, que se preparava para empurrar para as redes.
No contragolpe, Ronaldinho Gaúcho fez belíssima jogada sobre Tinga e lançou Guilherme, que finalizou por cima. O Atlético equilibrou as ações quando o Cruzeiro perdeu o gás, diante das chances perdidas. Aos 36 minutos, Leandro Guerreiro fez pênalti claro em Jô. Ronaldinho cobrou no canto esquerdo de Fábio, que defendeu.
O Cruzeiro, novamente estimulado, não perdoou. No último lance do primeiro tempo, aos 46 minutos, Montillo cruzou, e Martinuccio subiu sozinho. O atacante fuzilou de cabeça para empatar a partida. Tudo igual na primeira etapa para um futebol equilibrado.
O segundo tempo foi ainda melhor do que o primeiro. O Cruzeiro começou melhor. Logo aos 3 minutos, Anselmo Ramon cruzou na pequena área e Leonardo Silva salvou o Atlético. No lance seguinte, Thiago Carvalho lançou Everton na área e o lateral-esquerdo virou a partida.
O gol fez a torcida do Galo pegar no pé de Guilherme, jogador tradicionalmente escolhido pelos atleticanos para pagar o pato. Cuca ouviu os torcedores e sacou o meia para a entrada de Neto Berola. Na sequência, os volantes Tinga e Leandro Donizete trocaram cotoveladas, e Paulo César Oliveira expulsou os brigões, que saíram de campo discutindo muito.
Logo na jogada seguinte, o Cruzeiro quase ampliou. Marcinuccio cruzou para a área e Victor tirou. Aos 8 minutos, Tinga e Leandro Donizete se agrediram mutuamente e foram expulsos da partida.
Aos 14, Ronaldinho Gaúcho tratou de desfazer o erro do pênalti e ajudou o Galo a empatar a partida. Leonardo Silva escorou escanteio de cabeça, e Marcelo Oliveira, tentando evitar que o camisa 49 tocasse na bola, acabou colocando para dentro do próprio gol. A arbitragem assinalou gol do zagueiro atleticano.
Aos 29, veio a virada. Em nova cobrança de escanteio, Rever subiu sozinho e cabeceou para as redes. O clássico seguiu eletrizante até o fim. Após o gol, Cuca tirou o craque atleticano, que foi ovacionado ao deixar o campo para a entrada de Serginho. O jogador foi para o banco de reservas visivelmente chateado com a substituição. No fim, Anselmo Ramon ainda foi expulso.
Nos acréscimos, o goleiro Victor fez um milagre ao salvar o gol de Leandro Guerreiro na pequena área. Com o empate do Grêmio, concorrente direto a vaga da Libertadores, e a vitória do Galo, que coroou uma grande campanha no Brasileirão, garantiu participação na principal competição continental entrando direto na fase de grupos.

Compartilhe com seus amigos:
Sobre o Autor:
Ana Paula Xavier

Ana Paula Xavier

Escritora do Galo Forever. Fanática pelo CAM. Adoro minha família e amigos. Personalidade forte.

0 comentário(s):

Postar um comentário

Redes Sociais

Total de visualizações de página

Arquivo do blog

Receba novidades por e-mail

Copyright © Galo Forever Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com