Uma História, uma só paixão

25 de março de 2013

Pra sempre


Senhor que apagaste o sol,
Que apagaste a lua
Que anoiteceste os olhos da amada
Obrigado, por não ter deixado o Atlético capitular
Obrigado, Senhor, pelos 105 anos de loucuras
Permitido que nossas exigências fossem duras.
Obrigado, Senhor, por não permitir que o nosso adversário passasse
E nem que o nosso goleiro vacilasse.
Deu asas de pássaros ao goleiro

Deu os braços dos amantes ao goleiro
Fizeste-o abraçar esse pássaro sem asas
Como se fosse à mulher mais esperada
Mais desejada,
Mais sonhada,
Mais amada,
Mais adiada.
Nossas forças estavam naquele que possuía luvas
Que há mais de um século fora responsável por nossas fugas.
Senhor, que tiraste o pão nosso de cada dia,
Que cortaste nossa água
Que nos condenaste à fome e a sede
Que proibiste nossos amores
Que colocaste em nosso caminho gente tão hipócrita
Exilou as amadas na China
Ou na Conchinchina
Decretaste a solidão nas esquinas,
Nos bares e em nosso coração.

Fizeste de nós, Senhor, um bolero,
Fizeste de nós um tango
Fizeste de nós uma guarânia
Ou uma balada
Fizeste de nós a mais desesperada canção
E não nos matou apenas da sede de água
Mas da sede da boca da amada
Mas que transformou nossa defesa num muro
Numa barreira, numa trincheira
Num obstáculo intransponível.
Mataste todos nós da fome de amor
Que é pior que a fome de verdade
Mas não deixou, Senhor, o adversário passar
Senhor, que disparaste a inflação
Minguaste nosso feijão
Aprisionaste nossa ilusão
Prendeste de vez nosso coração
Mas espalhou luz sobre os caminhos do Atlético
Sobre a grama verde onde pisam nossos heróis
Acendeste uma estrela na chuteira deles
E não deixaste, Senhor, o adversário passar
Não deixaste o Atlético capitular
Senhor, que nos fizeste descobrir o amor
Para depois tirá-lo de nós
Fizeste-nos sofrer de amor
Matou-nos de amor, quando preciso
Mas quando nosso atacante pegou e haverás de pegar a bola mais uma vez, Senhor
Iluminado foi e pra sempre será o seu caminho
Cheio de estrelas e de dribles
E de passes mágicos e de cruzamentos
E de gols foi feito e pra sempre será o seu caminho
Encantada foi e pra sempre será a sua chuteira
E que nos seus pés
Na sua cabeça
Bendita foi e sempre será a vitória do Atlético!
E depois de tudo, Senhor
Depois que o Atlético ousar
Aí, Senhor, se julgaste necessário faça o que quiser de nós!
Após tanta recompensa
Após 105 anos de amor,
Após tanta festa nas arquibancadas,
Após tantas lágrimas,
Prive-nos agora e para sempre de tudo o que quiser
Exile a amada no Equador
E outra vez, Senhor
Nos mate de amor!
Mas não deixe o adversário passar!
Faça como fez durante todo este tempo,
Ouse derramar nosso pranto,
Ouse deixar-nos sem emprego,
Ouse distanciar-nos de nossas paixões,
Mas não deixe, Senhor, ficar-nos sem o Atlético.
Que eterno seja o nosso amor


E que pra sempre carreguemos o nome de Minas junto a nós.
                                                             (Adaptado de Roberto Drummond)




Compartilhe com seus amigos:
Sobre o Autor:
Thaís de Lima

Thaís de Lima

Portadora de sangue preto e branco.

Um comentário:

Redes Sociais

Total de visualizações de página

Arquivo do blog

Receba novidades por e-mail

Copyright © Galo Forever Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com