Uma História, uma só paixão

8 de abril de 2014

Empate marca primeiro jogo da final do Campeonato Mineiro

Foto: GoogleImagens

Igualdade. O primeiro duelo entre Atlético e Cruzeiro pela decisão do Campeonato Mineiro ficou no empate sem gols na Arena Independência. A partida foi marcada por muita entrega por ambas equipes, mas com os ataques sem levar êxito. Quem sai ganhando foi o time celeste, que será campeão se repetir o mesmo resultado no próximo domingo, com mando azul, no Mineirão. Como os atletas da toca fizeram uma campanha melhor na fase de classificação e jogam por dois resultados iguais. Ao Galo só resta o triunfo para se consagrar tri campeão.
O clássico teve muitas emoções, mesmo sem gols, com os dois goleiros trabalhando, em particular o goleiro Fábio. Empurrando pelo torcida, o time de Paulo Autuori foi melhor e criou várias chances, mas não consegui balançar as redes da equipe cruzeirense. O time de Marcelo Oliveira, até procurou jogar nos contra-ataques, conseguiu ao menos o empate.
O Galo começou melhor. Bem melhor. Foi mais agudo, soube usar melhor os lados, esteve mais vivo, mais presente. Mas faltou encaixar uma jogada que assustasse o Cruzeiro. Chute de Guilherme foi bem defendido por Fábio aos 17 minutos, mas a maior oportunidade atleticana surgiu depois, aos 28, quando Marion recebeu livre na área e perdeu gol feito. Ele tentou tocar por cima do goleiro rival, só que errou feio: deu um chute insignificante na bola.
E o Atlético quase pagou caro por isso. A partir desse lance, o Cruzeiro cresceu na parada. Willian esteve em vias de marcar. Tabelou bonito com Júlio Baptista e buscou o canto do gol defendido por Victor, mas errou por centímetros. A bola morreu no lado externo da rede. Depois, foi à vez de Ricardo Goulart desperdiçar um gol. Ele pegou a sobra de dividida pelo alto entre Júlio Baptista e Victor e mandou para fora.
Diego Tardelli, de lances brilhantes no primeiro tempo, viu o outro lado de sua própria moeda no período final. Perdeu um dos gols mais feitos de sua longa carreira. Foi em grande jogada de Marion, que invadiu a área pela esquerda e acionou o colega. O camisa 9, livre, de frente para o gol, pegou de canela na bola. E ela saiu.
Mas foi do Atlético a chance mais clara do clássico, aos 18. Jô ajeitou de cabeça para Marion, que ganhou de Ceará, invadiu a área e cruzou para Tardelli, que tocou para fora, livre de marcação. O atacante lamentou a oportunidade incrível desperdiçada, parecendo não acreditar no erro de conclusão. A torcida, no entanto, deu um voto de confiança e gritou o nome do ídolo.
Os treinadores trocaram algumas peças: Marcelo Oliveira apostou em um homem de área, Marcelo Moreno, na vaga de Júlio Baptista. E Nilton substituiu Ricardo Goulart. Do lado atleticano, Paulo Autuori, com opções reduzidas, tirou Marion para a entrada de um atacante de ofício, o jovem Carlos. E o jogo ganhou emoção na reta final, com Fábio trabalhando duas vezes, em conclusões de Alex Silva e Guilherme. Os ânimos se exaltaram depois de lance entre Marcos Rocha e Moreno, mas o princípio de tumulto foi controlado e o clássico chegou ao fim, com a certeza de mais emoções reservadas aos torcedores no confronto decisivo do próximo domingo.

Compartilhe com seus amigos:
Sobre o Autor:
Ana Paula Xavier

Ana Paula Xavier

Escritora do Galo Forever. Fanática pelo CAM. Adoro minha família e amigos. Personalidade forte.

0 comentário(s):

Postar um comentário

Redes Sociais

Total de visualizações de página

Arquivo do blog

Receba novidades por e-mail

Copyright © Galo Forever Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com