Uma História, uma só paixão

24 de julho de 2014

Com final emocionante, Galo vai à prorrogação e garante o título pela Recopa

Foto: GoogleImagens

Como boa torcedora do Atlético, eu sempre sei o que acontece nesses tipos de decisões. Se não for sofrido não é Galo. Foi assim na final da Libertadores de 2013 e agora na Recopa deste ano. Tensão em todos os cantos da arquibancada foi o que eu vi até o gol contra de Ayala. Apesar do susto, o final foi semelhante, com título e festa no Mineirão.
Sofrido, o Galo conquistou o título com uma vitória emocionante na prorrogação. O resultado de 4 a 3 garantiu o troféu inédito para a galeria alvinegra. Tardelli, Maicosuel, Luan e Ayala (contra) foram os autores dos gols do campeão. Os argentinos marcaram com Ayala, Santiago Silva e Acosta.
Há exatos um ano, da conquista da Libertadores, nesta quarta, o torcedor atleticano fez uma comemoração dupla com outra conquista internacional.
O destino colocou o Olimpia, do Paraguai, nas decisões da Conmebol de 1992 e da Libertadores de 2013. Já o Lanús foi o rival no bicampeonato de 1997 e agora no inédito título da Recopa.
Em 1997 a conquista veio com vitória na Argentina (4 a 1) e empate (1 a 1) no Mineirão. Em 2014, foi diferente. No La Fortaleza, vitoria atleticana por 1 a 0. Em Belo Horizonte, triunfo por 4 a 3.

Primeiro Tempo

O jogo começou como o Atlético gostaria, ampliando a vantagem logo aos 6 minutos. O árbito marcou pênalti após um cabeceio de Leonardo Silva parar no braço de Ayala. Coube a Tardelli converter e ainda cravar sua marca de 100 gols com a camisa do alvinegro.
Em clima de festa o resultado poderia indicar uma sequência de jogo tranquila para o Galo, mas não foi o que aconteceu. Com muita troca de passes curtos e movimentações, o Lanús conseguiu envolver a defesa atleticana.
Aos oito, veio o empate. Os argentinos fizeram boa jogada pela direita e Ayala bateu cruzado, sem defesa para Victor. O time armado por Schelotto mostrava boa troca de passes e deixou o setor defensivo atleticano desarrumado após sofrer o primeiro gol.
Disposto atrapalhar a festa no Mineirão, o Lanús virou o placar. Ayala cobrou falta cruzada na área de Victor defendeu. Mas Santiago Silva aproveitou o rebote para balançar a rede.
O placar adverso serviu para deixar o Galo em alerta. Tardelli e Maicosuel foram mais efetivos no setor de meio-campo. Se o camisa 9 já tinha feito o seu gol, o camisa 11 também deixou a sua marca na decisão. Aos 36, Maicosuel completou belo cruzamento com efeito de Marcos Rocha para empatar.

Segundo Tempo

Voltar para a Argentina com o vice-campeonato não estava nos planos do Lanús. Schelotto armou o time de forma ousada para a etapa final. Com a posse de bola, apenas os dois zagueiros se postavam no campo de defesa.
Para o Atlético, era claramente um jogo de contra-ataque. Foi dessa maneira que o terceiro gol quase aconteceu. Ronaldinho Gaúcho ficou cara a cara com Marchesín e bateu de cobertura, mas Gómez impediu que a bola entrasse.
O problema é que um contra-ataque bem encaixado como este foi raridade na etapa final. O Lanús pressionava em busca do terceiro gol e o Galo desperdiçava chances de “matar” o duelo.
Ficar sem a bola oferece riscos. O Lanús foi competente o suficiente para incomodar muito a meta de Victor nos 45 minutos finais. E o bloqueio foi furado já nos acréscimos. Santiago Silva cabeceou e o goleiro atleticano deu rebote que Acosta aproveitou.

Prorrogação

Apesar do cansaço físico das duas equipes, a parte decisiva do confronto foi disputada em alto nível. Atlético e Lanús mostraram disposição para atacar e evitar a disputa de pênaltis.
Os argentinos tiveram chance com cobrança de falta perigosa de Ayala. Mas foi o Galo que marcou. Luan foi lançado na ponta esquerda e tentou o cruzamento. A bola foi desviada por Gustavo Gómez e enganou o goleiro Marchesín.
O empate já garantia o título para o Galo. Mas o Mineirão comemorou outro gol. Ayala fez um recuo que o goleiro Marchesín não entendeu e deixou a bola passar.


Compartilhe com seus amigos:
Sobre o Autor:
Ana Paula Xavier

Ana Paula Xavier

Escritora do Galo Forever. Fanática pelo CAM. Adoro minha família e amigos. Personalidade forte.

Um comentário:

  1. Mais uma vez em nosso Salão de Festas, ninguém calou nossa voz. Ao contrário, o nosso grito tornou-se à ecoar nas quatro extremidades da América. www.euvistoacamisadogalo.com.br

    ResponderExcluir

Redes Sociais

Total de visualizações de página

Arquivo do blog

Receba novidades por e-mail

Copyright © Galo Forever Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com