Uma História, uma só paixão

8 de julho de 2014

E o sonho acabou!

Desde o princípio, a minha torcida é pra Argentina. Há quem me pergunte se não nasci neste país ou o que fizeram pra eu torcer contra aqueles que vestem a camisa da Seleção Brasileira. Ser brasileiro é uma coisa, ter o livre arbítrio de poder escolher uma Seleção pra qual torcer, é outra.

Meus caros, ainda dói lembrar do Campeonato Brasileiro de 80, aquelas expulsões na Libertadores de 81, os Campeonatos Brasileiros de décadas passadas e todos aqueles que o GALO sempre teve um time do eixo no caminho, inclusive o de 2012. Dói lembrar que Ricardo Teixeira fez de tudo e mais um pouco pra tentar atrasar o gigante de Minas. Sem contar na não convocação de jogadores que mereciam estar ali. 

Vi sim a partida de hoje. Aliás, assisti aos jogos do Brasil nessa Copa. Vi que jogadores dos meus, apoiavam a equipe, emprestaram até o nosso terço da Libertadores 2013. Em poucas chances que tiveram, competiram em matéria de SerCone com outros jogadores e um pequenino levou a culpa por ter que representar o craque da amarelinha. 

É decepcionante ouvir aqueles que não enxergam o que é ser um "time". O que é jogar em conjunto. Não adianta dizer pro mundo que está focado, senão é isso que se faz em campo. Com o Atlético eu aprendi o que é ter união, aprendi que o amor de multidões vem em primeiro lugar e o foco não se vem apenas com a solidariedade a um jogador. Faz parte, mas não é o total.

A Alemanha veio mais que preparada. Se aproveitou do "apagão" brasileiro ao levar o primeiro gol e não parou mais. Não é coisa que vem por acaso, foram Copas de preparação e grande estímulo, foi um jogo bem pensado e não deixaram apenas pra que fosse vencido no grito da torcida. Eles vieram pra jogar bola e fizeram bonito. Aproveitaram-se dos seus jogadores que tinham o poder de decisão e assim o fizeram. 

Do time de 2014, eu sinto falta daquele que podia ter orquestrado muito bem e organizado psicologicamente todos que ali estavam, assim como ele fez no GALO: Ronaldinho Gaúcho. Deste ano também, levo comigo a figura simbólica de David Luiz. O Hexa ficou pra próxima, mas a lição de "País do Futebol" já era pra ter sido dada. Fica as palavras do meu caro David: 

- "Só queria ver meu povo feliz, pelo menos por causa de futebol!" 

O povo também queria, mas nem todos lutaram por um só ideal. O povo fez bonito nos estádios, mas nem todos ouviram o som das arquibancadas. O povo chorou pelos craques, mas os craques não jogaram pelo povo. Se tivessem de azul, teria sido pior.

Futebol se faz com amor e dedicação! Infelizmente, tivemos quem não optou por nenhum dos dois. 

Um abraço, até a próxima. 

Torcida acompanha jogo do Brasil no Sítio Trindade (Foto: Andrea Rego Barros/ PCR)
(Foto: G1)






Compartilhe com seus amigos:
Sobre o Autor:
Thaís de Lima

Thaís de Lima

Portadora de sangue preto e branco.

2 comentários:

Redes Sociais

Total de visualizações de página

Arquivo do blog

Receba novidades por e-mail

Copyright © Galo Forever Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com