Uma História, uma só paixão

16 de abril de 2015

Galo perde para o Atlas e se complica na Libertadores

FOTO: GOOGLE IMAGENS

Uma vitória deixaria o Atlético na zona de classificação do grupo 1 da Copa Libertadores. Apesar da importância da partida diante do Atlas, no Estádio Jalisco, em Guadalajara, o que se viu foi o time apático mais uma vez. Assim como ocorreu em outros jogos nesta temporada, como nas derrotas para Colo-Colo, Caldense e Boa Esporte, por exemplo. Com desempenho tão pífio, o resultado não podia ser diferente. Com gol de González o Atlético perdeu para o Atlas pela segunda vez nesta Libertadores.
O resultado só não foi pior por causa do outro jogo do grupo. No mesmo horário se enfrentaram Colo-Colo e Santa Fe. Mesmo com a partida disputada em Santiago, os colombianos venceram por 3 a 0. O que faz o Atlético, apesar das três derrotas nesta fase, depender apenas de seu resultado contra os chilenos, na quarta-feira, dia 25, no Estádio Independência, para seguir na competição.
Hora de recuperar o 'Eu acredito', já que o Atlético precisa vencer o Colo-Colo por dois gols de diferença para avançar às oitavas de final. Assim como foi nas viradas contra Newell's Old Boys e Olímpia, pela Libertadores de 2013, e também diante de Corinthians e Flamengo, na Copa do Brasil do ano passado. O desempenho em campo nada lembra os times vitoriosos de um passado tão recente, mas com um Santo embaixo das traves e uma ajuda colombiana, o Atlético depende apenas de seu resultado para se classificar.

O jogo

O Atlético iniciou a partida de forma atenta para evitar ser surpreendido nos primeiros minutos. Com essa preocupação, o Galo não conseguiu agredir os mexicanos com intensidade, mas também não foi pressionado, concentrando as ações no setor de meio-campo, com as duas equipes se estudando bastante.
Sem a bola, praticamente todo o time atleticano recuava, com Carlos e Luan marcando a subida dos laterais e com Lucas Pratto também colaborando. Mesmo assim, a primeira chance clara de gol foi do Atlas com cabeçada de Venegas, que obrigou Victor a fazer grande defesa. Esperto, o técnico Tomás Boy pediu aos comandados que forçassem o jogo em cima do alvinegro Patric.
O lateral do Galo costuma sentir em jogos importantes, mas, como Marcos Rocha foi vetado pelos médicos do Galo, Levir Culpi ficou sem alternativas. Com a cobertura dos volantes, o Atlético corrigiu parcialmente o problema e foi ganhando confiança na partida para adiantar os marcadores e começar a incomodar o time da casa.
A grande dificuldade da equipe brasileira no jogo foi a transição do setor de defesa para o ataque. Sem um jogador para armar a equipe, os atleticanos ficaram previsíveis com toques laterais, arriscando a ligação direta em alguns momentos, quase sempre sem sucesso. Nas bolas aéreas, o Atlas mostrou mais eficiência, e Barragán perdeu ótima chance para abrir o placar.
Aos 39, a zaga atleticana deu espaços para González receber excelente assistência e finalizar cruzado, sem chances para Victor, inaugurando o marcador em favor dos mexicanos no Jalisco. Apáticos, os alvinegros fizeram muito pouco no primeiro tempo para um time que precisa vencer para seguir vivo na competição.
O torcedor do Atlético que esperava ver um time mais agressivo na etapa final acabou assistindo a mais do mesmo. A equipe seguiu sem iniciativa e com pouca movimentação, facilitando muito a marcação dos mexicanos. Controlando as ações, a equipe da casa optou por correr poucos riscos, brecando o ímpeto do Galo e atacando sem pressa.
Os visitantes demoraram 12 minutos para criar uma jogada de relativo perigo com uma cabeçada de Edcarlos, que passou sobre o travessão de Vilar. Percebendo que o time não se encaixou na partida, Levir Culpi resolveu mexer, colocando mais qualidade com as entradas de Guilherme e do colombiano Cárdenas.
As alterações também não funcionaram e ainda permitiram ao Atlas crescer no duelo. Aos 32, Medina resolveu arriscar da entrada da área, forçando Victor a fazer grande defesa, no rebote, Álvarez acertou a trave do goleiro atleticano. Na melhor oportunidade dos brasileiros em todo o jogo, o atacante Carlos saiu na cara do gol, mas concluiu a jogada com chute sobre o travessão de Vilar.

Compartilhe com seus amigos:
Sobre o Autor:
Ana Paula Xavier

Ana Paula Xavier

Escritora do Galo Forever. Fanática pelo CAM. Adoro minha família e amigos. Personalidade forte.

0 comentário(s):

Postar um comentário

Redes Sociais

Total de visualizações de página

Arquivo do blog

Receba novidades por e-mail

Copyright © Galo Forever Published By Gooyaabi Templates | Powered By Blogger

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com